Sexualidade humana
  • A sexualidade humana não se resume à expressão genital; a sexualidade humana é também a condição psíquica do desenvolvimento da vida afectiva, da relação com “o outro” e do senso do desejo. Nesta dupla perspectiva identitária – genitalidade e psiquismo – insere-se o enriquecimento da relação heterossexuada1 que culmina na procriação.
  • A origem da pulsão sexual é inconsciente – exprime-se progressivamente na vida psíquica mediante um sistema de representações que o sujeito se dá a si mesmo, através do tempo e das suas primeiras experiências afectivas.
  • O objecto da pulsão sexual humana não é determinada biologicamente.2 A escolha do objecto depende do modo como a criança vive os seus estádios de desenvolvimento e de maturação da sua sexualidade.
  • Se a identidade sexual da pessoa ou sujeito é um dado objectivo, a "orientação sexual" determina-se de um modo tal que o sujeito fará o tratamento psíquico e cultural adequado da diversidade das pulsões sexuais parciais – por exemplo, vouyerismo, exibicionismo, sado-masoquismo, homossexualidade, travestismo, trans-sexualismo, pedofilia, necrofilia, etc. Na melhor das hipóteses, acontecerá uma continuidade psíquica entre a identidade sexual e a "orientação sexual".
  • A pulsão sexual harmoniza-se progressivamente — ao longo da infância e da adolescência — com o funcionamento global da personalidade.3 A criança aprende a estar em relação com pessoas do sexo oposto descobrindo o sentido do amor. Caso isto não aconteça, a criança arrisca-se a permanecer numa situação imatura4 de vivência narcísica, impulsiva, agressiva e possessiva da sexualidade.
  • A identidade sexual propriamente dita depende de uma maturidade efectiva que permite uma articulação e uma continuidade entre a pertença sexuada (pertença a um dos sexos), por um lado, e a expressão da sua sexualidade, por outro lado – o que concede uma autenticidade e uma coerência à personalidade do sujeito.
  • A Teoria de Género, que pretende substituir a “diferença de sexos” pela “diferença de sexualidades”, conduz ao erro do pensamento actual quando afirma que a ligação social (as relações que cimentam os laços sociais) pode-se desenvolver a partir de uma qualquer tendência sexual. Trata-se de uma visão utópica e desfasada da realidade concreta e objectiva. Nas sociedades europeias actuais, em geral, a política correcta favorece as rupturas, dissociações e desligamentos no domínio da sexualidade: pretendeu-se separar a procriação, por um lado, da sexualidade, por outro lado; depois, quis-se separar a parentalidade, por um lado, do casal heterossexuado, por outro lado; e agora, mediante a Teoria de Género, pretende-se separar a identidade sexual, por um lado, da sexualidade em si mesma, por outro lado, afim de privilegiar uma qualquer "orientação sexual".

Editado por (OBraga)

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License