Nominalismo

Nominalismo

  • Teoria segundo a qual “nada há de universal no mundo para além das denominações, porque as coisas nomeadas são todas individuais e singulares”1. O Nominalismo nega a existência dos géneros e das espécies que, alegadamente, não existiriam senão em nome.

Guilherme de Ockham (frade franciscano) foi2 o primeiro defensor do nominalismo, numa resposta à chamada querela dos universais que consistia em saber se haveria realidades universais que correspondam às palavras gerais das quais nos servimos – por exemplo, “homem”, “cavalo”, etc.).

Alguns filósofos sustentam um “realismo de significação”, dizendo: se a beleza é um nome que tem um significado geral, então, qualquer coisa como a “beleza em si” ou a “essência da beleza” existe na realidade.3.

A este mesmo problema, o nominalismo dá a resposta inversa: os nomes apenas são etiquetas, graças às quais podemos representar as classes de indivíduos; as ideias gerais não têm um objecto geral: são abstracções obtidas por intermédio da linguagem.

Ou seja, o nominalismo defende a ideia segundo a qual as coisas ou objectos da experiência não têm realidade intrínseca fora da linguagem que as descreve4.

O nominalismo permite uma crítica radical das entidades metafísicas e foi sobretudo defendido pelas teorias empiristas de Berkeley, Hume, Condillac, empirismo, empirismo lógico e positivistas como o Círculo de Viena.

Ver: mundo 3 de Karl Popper, universais, conceptualismo

Editado por (OBraga)

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License