hábito

O conceito filosófico de “hábito” refere-se ao virtuosismo, que é uma espécie de “segunda memória” adquirida, que funciona sem a evocação de recordações e sem apelo à linguagem. A transformação da vontade, em hábito, é a condição de desenvolvimento da nossa própria vontade aplicada ao mundo exterior.

O hábito é também a condição da aprendizagem (Aristóteles). Sem o hábito da prática ritual da nossa religiosidade, não pode existir evolução espiritual propriamente dita. Por outro lado, o hábito, se limitado à nossa subjectividade, não tem um sentido objectivo: só na intersubjectividade – na partilha do hábito com os outros -, o hábito, transformando-se em um ritual colectivo, adquire um significado de evolução espiritual.

A negação do hábito intersubjectivo aplicado à religiosidade humana – a negação do ritual religioso propriamente dito – é uma idiossincrasia de tipo “New Age” que é falaciosa em si mesma, por um lado. e auto-contraditória, por outro lado, porque não existe qualquer possibilidade de progresso espiritual sem uma aprendizagem que depende do “hábito” ritualizado (intersubjectivo).

Editado por (OBraga)

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License