Discurso

Etimologicamente do Latim: «discursum» (“cursum”, correr de um lado para o outro, “dis” para diferentes lugares) e do Grego «Logos »(pensamento, palavra).
José Ferrater Mora no “Dicionário de Filosofia “ refere que o discurso na semiótica contemporânea é um complexo de signos que podem ter diversos modos de significação e que podem ser usados com diversos propósitos. Segundo os modos e os propósitos, os discursos dividem-se em vários tipos.

Ver Tipos de discurso.

editado por Alda Martins —- para desambiguação clique em debater no menu em rodapé


Aditamento por (OBraga)

  • O discurso é o raciocínio, ou sequência de raciocínios presentes numa ordem metódica. O discurso não é a mesma coisa que dissertação.
  • Na época contemporânea surgiu a linguística que chamou de novo a atenção para o conceito de discurso. A linguística considera a língua como um sistema arbitrário e autónomo em relação ao pensamento dos indivíduos que, encontrando nela um reservatório de ideias e conceitos, dificilmente escapam a este quadro consignado pela língua.
  • A psicanálise lacaniana — (estruturalismo) — considera que o sujeito está prisioneiro do discurso efectuado à sua volta e antes dele, pelo seu ambiente, sistema fechado de significações que inevitavelmente herda.
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License